Na última Lua cheia, Lua e Sol estavam em signos opostos e complementares, nos pedindo o equilíbrio entre essas duas energias, que também regem o poder e o amor. Em “Lá vêm os pais” , a história traz essa reflexão: Como harmonizar as nossas relações familiares e, ao mesmo tempo, investir na carreira e ser um bom profissional?

Esta semana foi bastante intensa, cheia de trabalho e compromissos. Para relaxar, eu queria apenas ver um filme levinho, descomplicado, comer pipoca e dar risadas mesmo. Então, escolhi aleatoriamente “La vêm os pais”. À primeira vista, uma simples comédia pastelão, mas que me me fez pensar justamente nas duas polaridades que estamos vivenciando desde quinta-feira, 28/06, sob a influência da Lua Cheia em Capricórnio com o Sol em Câncer: vida profissional x vida familiar .

A história gira em torno de dois grupos familiares com realidades completamente opostas que precisam conviver na semana que antecede o casamento de seus filhos. Nada que já não tenha sido mostrado na telona, mas, mesmo assim, eu aproveitei o momento para refletir sobre essas polaridades. De um lado, está a família da noiva, que hospeda em sua casa alguns parentes distantes que vieram para a festa, acolhendo e nutrindo todos os convidados, desde os tios e primos até os amigos dos noivos. E, de outro, a família do noivo, em que os pais são separados e os filhos estão totalmente distantes do pai, que só pensa em trabalhar.

Esse convívio gerou uma série de confusões, alguns episódios engraçados, como é na vida real, mas também trouxe aprendizados. Os pais dos noivos são dois homens completamente diferentes. Um influenciado por energias cancerianas, voltado ao lar, ao amor pelos filhos, ao afeto, ao cuidado, ao acolhimento; e o outro sob a influência capricorniana, preocupado com a sua profissão, a vida pública, o poder e as recompensas materiais.

Adam Sandler fez o papel do paizão, amoroso, dedicado, cuidador, que fazia de tudo pela felicidade dos filhos, principalmente pela primogênita, que estava prestes a trocar alianças e sair do seio familiar. No filme, o pai da noiva trabalha em um cenário tipicamente canceriano: imóveis e reformas. Já o pai do noivo, vivido pelo ator Chris Rock, era um cirurgião famoso e rico, que operava o coração de celebridades e poderosos. Ele tinha muito dinheiro, reconhecimento profissional e status, mas a sua família não o reconhecia. O médico não conhecia bem os seus filhos, não convivia com eles, só pensava em trabalhar e curtir o luxo e os prazeres da vida.

O eixo Capricórnio/Câncer nos convida a viver essas duas polaridades de forma equilibrada, nos inspira a buscar o caminho do meio entre a nossa profissão e a nossa nutrição pessoal e familiar. Que este momento do céu nos direcione para as nossas metas e projetos profissionais, mas também nos lembre da importância das nossas raízes, da nossa família, do nosso lar doce lar, do nosso aconchego. Que possamos definir os nossos objetivos, as montanhas que queremos escalar, valorizando e honrando os nossos ancestrais, os nossos pais, fortalecendo os laços de amor e vivendo em um lar harmonioso.

Pois de que adianta tanto sucesso e reconhecimento se não temos com quem compartilhar?

Luana Paula de Aquino
Jornalista e editora especializada em espiritualidade e autoconhecimento. Pesquisadora dos temas relacionados à Astrologia, Tarot e Terapias da Casa.
luana.aquino@gmail.com
Instagram: @luanapaquino

 

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Maravilhoso Amiga! ter a percepção de que os movimentos das energias na Lua cheia nos promovem oportunidades para aflorar um equilíbrio de amorosidade: profissão x família = Gratidão A Lua é misteriosa e nem todos sentem esta magia

DEIXE UMA RESPOSTA