Meu corpo tem asas, meus pensamentos tem asas, meus sentimentos tem asas. Se sempre as tive? Nasci com elas!!! Eu, você, todo mundo!

Por motivos diversos e, muitas vezes, inconscientes, as troquei por armaduras. Isso, várias armaduras. Quem nunca? Foi difícil reconhece-las. Quem nunca?

Foi difícil tira-las, dolorido, porém lindo! O Universo é sábio, é generoso, sabe dar o que é de cada um, para cada um, no momento certo. Há uma magia à nossa disposição para isso. O nome? Amor.

“… Incentivado pelo progresso, o cavaleiro fez algo que nunca havia feito antes. Sentou-se tranquilo e ouviu o silêncio. Ocorreu-lhe que, na maior parte da sua vida, nunca tinha realmente ouvido alguém ou alguma coisa. O sussurro do vento, o tamborilar da chuva e o som da água nos córregos com certeza sempre estiveram presentes, mas ele nunca os ouvira de verdade.

… Ele sorriu através das lágrimas, sem perceber que uma nova e radiante luz emanava dele – uma luz muito mais brilhante e bonita do que sua armadura com o melhor dos polimentos: borbulhante como um riacho, brilhante como a lua, deslumbrante como o sol. Pois, de fato, o cavaleiro era o riacho. Ela era a lua. Ele era o sol. Ele podia ser todas essas coisas de uma vez agora, e muito mais, por que ele era um com o Universo. Ele era amor.”
O Cavaleiro Preso na Armadura, Robert Fisher.

Quando nos conscientizamos que, ao ter asas, ficamos uno com o Divino, reativamos a coragem que sempre fez parte do nosso Ser. Reativamos a coragem de ser sensível, eliminamos crenças que já não cabem em nossas vidas. E a sensibilidade? Esse jeito de ouvir além dos olhos, de ver além dos ouvidos, de sentir o sentimento alheio tão claro em nosso próprio coração. Sentir até doer ou até fazer cócegas na alma. E sorrir ou chorar junto com toda a sinceridade. Essa intensidade de ser. Eu Sou. Esse movimento de transformar o mundo (a começar por si mesmo) através do amor.

O aprendizado que vem com a consciência, que vem com o viver, com a entrega para a vida. Inocência é coisa pra andar bem juntinho da sabedoria, mas deve sempre estar presente na vida. Uma pitadinha de medo, apenas o suficiente para valorizar cada passo, cada conquista. Um desejo de um mundo que possa acordar sorrindo pra toda gente. Pra todo ser. Pra toda vida. Troquei as armaduras por asas. Antes, uma guerreira lutadora. Agora, uma guerreira do amor.

Fazer uso de nossas asas requer sensibilidade, requer coragem, requer consciência e amor. Traz leveza, traz sorrisos, traz frio gostoso na barriga. Ahhh, e como traz!

 

Magda Freitas é coach, treinadora, desenvolvedora de líderes e times. Palavras de Magda: “Meu propósito é fazer um mundo melhor. Defendo que o amor é um dos caminhos, a começar pelo o amor por si mesmo.” Seu programa de desenvolvimento Consciência do Ser é embasado por esse propósito e trabalha o autoconhecimento como principal instrumento de desenvolvimento e realização plena. Através do meu trabalho, posso apoiar o movimento de despertar do planeta, potencializando essa corrente do bem que clama por todos nós. Assina o blog: www.magdafreitasblog.wordpress.com

Ilustração: Marcelo Dalla

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA