Autoestima, amor próprio, valorização interior, força espiritual, equilíbrio, tranquilidade interior, paz de espírito, amor incondicional… Conceitos maravilhosos, palavras mágicas, experiências ansiadas que parecem despertar dentro de nós uma energia adormecida a quem tais palavras fazem vibrar, mas que está tomada por um ego turbulento que nos dificulta ouvir e seguir a verdade de quem somos…

De fato o único propósito do ego é manter-nos nos seus limites, na sua zona de segurança, no seu quadradinho protegido sabe Deus de quem, protegendo sabe Deus o quê.

Não deverá existir um único ser humano que não reaja positivamente a qualquer um destes conceitos. E sem condicionantes, estaríamos todos sem dúvida numa cruzada em busca do que mais precisamos.

Mas sair ou não sair do quadradinho.. essa é a questão!

Sair do quadradinho requer um tal esforço, exige tais atos de coragem e corremos tantos riscos que preferimos, com o tempo, passar a acreditar que é possível ser feliz dentro dele.

Vendemo-nos barato. Fomos covardes… e como diz a maravilhosa Maria Flávia de Monsaraz: “O Universo não perdoa covardias”.

Esse ato de cobardia será o ímã que irá fazer atrair as mais variadas perdas. Não serão perdas como castigos de um Deus mau e punidor. Deverão ser vistas e sentidas, sim, como a única maneira que o Universo encontrou de nos fazer escolher algo melhor.

Criando a dor no ponto A será a única maneira de nos fazer ansiar pelo ponto B, que é afinal onde a nossa alma quer estar e onde está a luz e a abundância à nossa espera.

Sem a perda, ficaríamos estagnados no ponto A vivendo a vida toda aquém do nosso potencial, desconhecendo por completo a experiência do B.

Quão ridículo seria se as ovelhas fizessem birra e insistissem em pastar na estrada ignorando os empurrões e mudanças de direção do pastor que sabe melhor existir um verde e apetitoso pasto? A lamúria e a vitimização são as nossas birras.

Autoestima, amor próprio, valorização interior, força espiritual, equilíbrio, tranquilidade interior, paz de espírito, amor incondicional… Qualquer um destes conceitos precisa ser materializado ou não passará disso mesmo.

Não seremos então nós próprios o nosso próprio Herói que espera eternamente por um veículo de manifestação? E não será isso mesmo que afinal estamos cá a fazer?

E não vimos já anteriormente que só conquistamos o estado de Herói quando enfrentamos os nossos dragões?

Faz uma lista dos teus dragões.

Sejam eles pessoas, bolo de chocolate, pensamentos negativos, os milhões de “Eu não…” ou o mais comum de todos: o Sr. Medo de…

Cada um dos teus dragões é o que fará de ti um Herói!

Será em cada batalha ganha que teremos acesso às medalhas da autoestima, amor próprio, valorização interior, força espiritual, equilíbrio, tranquilidade interior, paz de espírito, amor incondicional.

Na tua lista, escreve à frente de cada dragão de que maneira e com que estratégia o pretendes enfrentar.

A vida espera a cada momento que puxes a espada e comeces a tua cruzada. Foi para isso que encarnamos!

Ou iremos por escolha .. ou iremos empurrados .. parados é que não!

Bon Voyage!

Vera Luz
Autora e Terapeuta de Regressão e Orientação Espiritual.
Tem vários livros publicados em Portugal, um deles no Brasil e desde 2001 trabalha para relembrar a cada um o propósito por trás dos eventos da vida. Desvendar a história Karmica que cada um carrega, é essencial para uma vida consciente e abundante.
veraluz@veraluz.pt
www.veraluz.pt

Ilustração: Dragon and knight by cicakkia

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA