O céu inspirou nossa religiosidade e arte desde a pré-história. Aguçou nossa curiosidade, responsável pela evolução da mentalidade do homem. Mas nos dias atuais a interferência da luz das cidades no céu noturno impede nosso convívio com uma visão essencial para a humanidade, o brilho estelar.

Cerca de dois terços da população humana vivem hoje sob um céu não escuro o suficiente para ver a Via Láctea. A maioria dos céus urbanos está praticamente vazia de estrelas.
Mas ainda restam lugares, longe dos centros urbanos onde é possível observar chuvas de meteoros, estrelas, planetas e a Via Láctea em todo seu esplendor.

Alguns dos céus noturnos mais surpreendentes são observados em locais muito remotos, de difícil acesso, mas existem alguns onde é possível realizar o astro turismo, entre eles, parques nacionais e áreas de observatórios astronômicos.

O Astroclick fez uma investigação e revela para você leitor as melhores vistas das estrelas ao alcance dos nossos olhos.

Começamos esse passeio pelo continente africano.
Maior deserto quente do planeta, o Saara é uma extensa área praticamente vazia de centros urbanos. Do Marrocos ao Egito, o lugar proporciona algumas das vistas mais espetaculares das estrelas.
Com um clima seco ao extremo e céu livre de luzes o deserto da Namíbia beira à perfeição no que se refere ao astro turismo, onde se observa  um panorama de 360 ​​graus do horizonte.
A maior reserva natural da África do Sul, o Parque Nacional Kruger, também fica distante da influência da poluição e da luz artificial das cidades.

Na Ásia, a parte sudeste da Península Arábica é um dos maiores desertos contínuos do mundo, cobrindo uma área de cerca de 650 mil quilômetros quadrados vazio de aglomerações urbanas.
Outro lugar, dessa vez em  grandes altitudes e com poucos centros urbanos são as montanhas do Himalaia, que permitem fantásticas observações do céu.

Na Europa, a ilha vulcânica de La Palma, no arquipélago das Ilhas Canárias, território espanhol, é um destino popular para aqueles que querem olhar as estrelas.
Considerado como o último céu noturno natural da Europa Ocidental, a Montanha Grossglockner, nos Alpes Austríacos, região do Tirol, oferece um céu noturno imaculado.
A região da Snowdonia, no País de Gales, é o principal ponto de céu escuro das ilhas britânicas. Mas a Escócia não fica atrás com o Scottish Dark Sky Observatory, em Galloway Forest Park.

Na América do Norte, o Havaí por si só já é um grande atrativo, mas quem subir no alto dos vulcões Mauna Kea e Mauna Loa, acima de quatro mil metros de altitude, tem a chance de encarar uma das mais impressionantes visões da Via Láctea.
A combinação de céu com poucas interferências de luz urbana, extensas pradarias, ladeadas por montanhas impressionantes fazem do Wyoming, o estado norte-americano que oferece as melhores vistas do céu noturno.
A alta elevação do Parque National Historical Park of Chaco Culture, no Novo México, apresenta um céu extremamente escuro com bela visão das estrelas. Aproveite para visitar as ruínas de Pueblo Bonito.
Imagine ver as estrela através de um arco gigante de pedra. Essa é a atração do Natural Bridges National Monument, em Utah. O local foi escolhido como o primeiro parque internacional de céu escuro do mundo.
A nossa última dica fica no Canadá. No extremo oriente do país, a Acadian Skies e Mi’kmaq Lands, área desértica no oeste da Nova Escócia, está o primeiro Starlight Hotel certificado do mundo: o Trout Point Lodge. A área já foi o lar da nação indígena Mi’kmaq, cujas histórias sobre constelações explicaram a mudança das estações e outros fenômenos universais.

Na Oceania, a região oeste do Outback da Austrália é uma das áreas mais escuras da Terra. A recompensa para aqueles que visitam esse território é a brilhante observação da área central da Via Láctea.
Considerada a maior reserva de céu escuro do mundo, a Aoraki Mackenzie Internacional Dark Sky Reserve, está localizada no topo de um planalto na Ilha Sul, na Nova Zelândia e é o local ideal para ver as galáxias anãs chamadas nuvens de Magalhães. Você também pode buscar céus incríveis em algumas das ilhas do Oceano Pacífico e não vai se arrepender.

Na América do Sul, o deserto do Atacama, no Chile, Argentina e Bolívia é o lugar ideal. A altitude e a aridez dessa região dá a impressão ao olharmos para o céu noturno de que acontece uma chuva de estrelas. A região da Patagônia, na Argentina também merece uma visita.

Mas não se desespere juntando dinheiro para visitar algum destes lugares. O Brasil também guarda lugares onde podemos observar lindas noites estreladas, entre eles estão Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, Anápolis, em Goiás, São Francisco Xavier, em São Paulo, o Parque Aparados da Serra, no Rio Grande do Sul, Pé da Serra, na Bahia, a ilha de Fernando de Noronha e a região onde estão os municípios de Brazópolis e Piranguçu, no sul de Minas Gerais, onde está o Observatório Astronômico do Pico dos Dias.

E deixo aqui uma dica: no feriado dos dias 7,8 e 9 de julho acontece o Retiro Astrológico e Xamânico em um sítio no alto das montanhas, próximo ao observatório. Do ladinho desse lugar maravilhoso, no alto das montanhas. Informações e fotos podem ser encontradas no blog marcelodalla.com. E se você ficar interessado em participar, escreva para o email: man_dalla@hotmail.com.

Ronaldo Cooper
Nasceu em Porto Alegre, é jornalista, roteirista, fotógrafo e editor do blog VisualZine.
visualzine.blogspot.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA