Pablo Picasso pintando Guernica

Província basca de Biscaia, Guernica, 26 de Abril de 1937. A cidade desperta com o canto mortal de aviões, bombas, explosões. Apoiado por Hitler, Franco intimida e impõe poder. Picasso prende uma tela de 350 por 776 cm na parede de seu estúdio e inicia uma das obras mais contundentes da história da arte, um libelo contra os horrores da guerra.

Guernica após o bombardeio

Picasso já havia satirizado Franco na série de desenhos “O Sonho e a Mentira de Francisco Franco”, representando-o como um monstro que devora o próprio cavalo e depois luta com um touro enraivecido. Estes desenhos serviram de inspiração para a obra maior.

Sonho e Mentira de Franco

Picasso disse: ” A Guerra de Espanha é a luta da reação contra o povo. Toda a minha vida como artista tem sido uma luta contínua contra a reação e a morte da arte. Como pôde alguém pensar por um momento que eu estivesse de acordo com a reação e a morte? “

Esboços de Guernica

O painel foi uma resposta à encomenda do Governo Republicano, para ser apresentada na Feira Mundial de Paris, na Exposition Internationale des Arts et Techniques dans la Vie Moderne. Na ocasião, Picasso disse: “ No, la pintura no está hecha para decorar las habitaciones. Es un instrumento de guerra ofensivo y defensivo contra el enemigo.“

Picasso inicia Guernica

Guernica surge como protesto à violência da guerra e denúncia sobre a arrogância inconsequente e insana do homem. A tela em preto, branco e cinza do espanhol completa agora 80 anos e está exposta no Museu Reina Sofia, em Madri. A fotógrafa e companheira de Picasso, Dora Maar, registrou todo o processo de criação da obra, dos primeiros esboços até sua conclusão.

Processo de criação, Dora Maar, 1937

A partir de 1937 Guernica iniciou uma longa viagem pela Europa e Estados Unidos, que inicialmente serviu para arrecadar fundos para os refugiados espanhóis da guerra. Confiada ao Museu de Arte Moderna (MoMA), em Nova York em 1939, ano que Franco ganhou a guerra, a obra permaneceu mais de 40 anos em solo americano.

Guernica, 1937

Picasso havia orientado que a pintura só poderia ir para a Espanha quando fosse devolvida a liberdade ao povo espanhol. Isso ocorreu apenas em 1981. Guernica foi retirada do MOMA rumo a Madrid. Chegava ao fim a peregrinação da obra que os espanhóis chamavam de “el último exiliado”.

Pablo Picasso – 1881/1973

Ronaldo Cooper
Nasceu em Porto Alegre, é jornalista, roteirista, fotógrafo e editor do blog VisualZine.
visualzine.blogspot.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA