Anima Mundhy com o AstroClick para um Click na Alma!

Olá, Amigos!

É com imenso prazer que eu aceito o convite do Marcelo Dalla para contribruir com o seu mais novo canal de Astrologia, o AstroClick, recém inaugurado.

Encontrei na sua proposta, algo inovador que chega como mais uma ferramenta de comunicação para aqueles que buscam por informações sérias e bem fundamentadas sobre Astrologia, Terapias, Saúde, Filosofia, Arte, Simbologia e afins.

Enquanto pensava num texto para começar minha participação no AstroClick, diversos temas vinham à minha mente e eu não conseguia me decidir, até que o Universo me trouxe a reposta, numa das minhas aulas no Anima Mundhy.

O tema da aula girava em torno de um dos conceitos da Nova Consciência: a resposabilidade de cada Ser Humano sobre a criação da própria realidade e das suas experiências em Terra.

E conversa vai, conversa vem, toda vez que esse tema vem à tona com meus alunos, invariavelmente chegamos nos limitantes e sofridos sentimentos de culpa, gerando imensa confusão e bloqueando o Poder Criador de Realidades.

Sentimentos de culpa assolam toda a humanidade. Até me arrisco a escrever que sentimentos de culpa chegam a mover e impulsionar as pessoas para diversas ações. Estão como pano de fundo nos relacionamentos, de forma geral. Você já percebeu isso em você?

Se sim, esse texto será uma excelente pausa para reflexão. Espero que sirva para transformar seus conceitos e ampliar a sua consciência, a fim de que você se liberte de antigos padrões de pensamentos. Dedique-se a perdoar-se, libertando-se dos sentimentos de culpa e adentre na grande aventura de transformar a sua existência terrena.

Agradeço ao Marcelo Dalla pela confiança nos meus textos, nas minhas ideias e no meu modo de ver a vida. Desejo muito sucesso ao AstroClick!

E então, vamos falar sobre culpas versus responsabilidades? Vem comigo.

O significado da palavra culpa
Segundo o Dicionário Online de Português, a palavra culpa significa: “ato ou omissão repreensível ou criminosa; falta voluntária, delito. Designa não só uma falta para com a lei, seja ela religiosa ou civil, mas também a consciência dessa falta por quem a cometeu.”

E sobre o sentimento de culpa?
O sentimento de culpa traz a sensação de não ser digno, de ser mau, traz remorso e auto censura, levando ao sentimento de raiva para consigo mesmo e à necessidade de autopunição: aqui está a origem dos autossacrifícios e da ideia de não merecimento.

Se você observar bem, o sentimento de culpa vem acompanhado de uma sentimento de que não se pode “errar”. Nesse caso, eu lanço a seguinte pergunta: o que é o erro? Afinal, o que é errado para mim pode não ser errado para você – e vice-versa -, concorda? E então, está gerada uma enorme confusão, talvez tema para um próximo texto.

Além disso, o ditado popular: “é errando que se aprende”, tem fundamento.
Pelas teorias da pedagogia, a experiência “erro-acerto” impulsiona a evolução do raciocínio e, consequentemente, leva ao aprendizado e à ampliação da consciência.

Nesse sentido, o sentimento de culpa impede que se aproveite o “erro” de forma construtiva, limitando muito os novos aprendizados, as novas ações e o desenvolvimento pessoal.

O sentimento de culpa e a distorção dos fatos
Os “culpados” distorcem os fatos, recolhendo para si mesmo tudo o que não esteja acontecendo de forma “correta”. Costumam interpretar os acontecimentos a partir da culpa que sentem e se martirizam, sofrem por terem sido os “culpados” pela sua própria infelicidade e pela infelicidade alheia. A visão da realidade torna-se turva e a verdade desaparece em meio ao sentimento de culpa.

A consequência é a autodepreciação, a autocrítica e um feroz julgamento para consigo mesmos. Essa atitude interna leva a uma dificuldade em se fazer uma interpretação saudável de si mesmo, dos outros e das situações.

Sentir-se “culpado” é como sentir-se preso, atado para sempre na necessidade interna (e eterna) de agir para conquistar o perdão e a redenção. Isso não é liberdade! E essa é uma crença que limita e impede de se expandir o Verdadeiro Potencial.

Você está infeliz? Quem são os culpados?
Ainda sobre a distorção dos fatos, quando o sentimento de culpa chega num nível insuportável – e devo dizer que é muito comum isso acontecer, afinal ninguém quer ser “culpado” de nada, certo? – a tendência humana é buscar os “culpados” do lado de fora, colocando-se na posição de vítima do outro, do governo, de Deus e do Universo inteiro!

Você já se viu nessa situação? Conhece pessoas que culpam o mundo inteiro por suas infelicidades? Aposto que sim, pois foi assim que aprendemos a fazer. E é assim que o ego inferior funciona: o “erro” é sempre do outro!

Pois bem, enquanto a sua felicidade – ou infelicidade – estiver nas mãos do outro, nas mãos de Deus e do Universo inteiro, você estará se retirando da sua responsabilidade de realizar transformações, sejam internas ou externas.

Desta forma, nada se transforma, nada se reorganiza, nada de novo se cria, uma vez que, afinal, nada depende de você, mas do outro, certo?

O primeiro passo para livrar-se das situações infelizes é perceber-se responsável por seus próprios pensamentos, sentimentos e ações, assim como também perceber-se como sendo você o único Ser que colocou a si mesmo dentro das experiências que vive.

Pausa no tema “os culpados” e saltando para as responsabilidades, porque aqui está o pensamento que confunde responsabilidade com culpa.

O significado da palavra responsabilidade
Segundo o Dicionário Online de Português, a palavra responsabilidade significa: “natureza ou condição de responsável; capacidade de responder por seus próprios atos; sensatez, competência para se comportar de maneira sensata.”

Em outras palavras, responsabilidade é retirar as causas das suas experiências – felizes ou infelizes – do lado de fora, trazendo-a para dentro, recuperando assim o comando de si mesmo e da própria vida.

Portanto, ser responsável é saber que você tem condições de interferir no seu mundo, escolher livremente as suas experiências, seus pensamentos e seus sentimentos e/ou transformá-los segundo seus desejos mais profundos.

Responsabilidade é força de transformação e de liberdade.

Responsabilidade leva você para as seguintes perguntas: “O que eu posso fazer diferente e onde eu preciso mudar (especialmente em mim) para que o mundo me responda de outra maneira e as minhas experiências me tragam a felicidade plena?”

Culpa X Responsabilidade
Assumir a responsabilidade sobre si mesmo é retirar do outro a culpa. Porém, isso não significa colocar a culpa em si mesmo. Retirar a culpa do outro significa apenas trazer de volta o poder de atuar no mundo, olhando para dentro de si mesmo com a única finalidade de corrigir-se. Ao deixa de ser sentir como a vítima do mundo você pode transformar o mundo ao seu redor.

Quando você se sente responsável por si mesmo e por seu mundo, começa a ver e a atuar forma diferente e a vida se transforma diante dos seus olhos!

Assumir a responsabilidade sobre si mesmo significa também deixar de se sentir culpado e não merecedor de coisas boas, para interpretar os “erros” de forma mais construtiva e transferir-se para um outro lugar na vida.

Como se libertar do sentimento de culpa?
É muito interessante notar que o próprio Dicionário Online de Português traz a resposta: o antônimo (o contrário) da palavra culpa é perdão, impenitência, inocência e inculpabilidade.

A libertação da culpa começa e termina no perdão: o autoperdão e o perdão ao outro!

Perdoar significa ver a si mesmo e ao outro sem culpa, perceber-se como inocente e livre da necessidade de sacrifícios e penitências! E quando isso acontece o que resta é apenas a sensação de responsabilidade!

Diversos são os recursos disponíveis para a conquista do perdão e autoperdão, que vão desde Orações, Afirmações de Luz, Mantras, Ho’oponopono e outros, até Técnicas Terapêuticas que ajudam a dissolver, amenizar e neutralizar as “culpas” sentidas.

Todo processo terapêutico passa, em algum momento, pela identificação dos sentimentos de culpa, pelo autoperdão e perdão ao outros e pela reinterpretação mais saudável dos fatos, a fim de que se chegue à consciência da responsabilidade. Nesse momento, a mudança acontece e a sensação de liberdade é muito gratificante, compensando quaquer esforço nessa direção.

Não hesite em pedir ajuda, caso sinta que precisa de apoio e de maior segurança na sua transformação interior.

Eu o incentivo a continuar a reflexão, pois, com certeza, o tema não se esgota aqui. Se você gostou do texto e acha que seus amigos também precisam repensar seus sentimentos de culpa, compartilhe com eles. Use os botões abaixo e leve também os créditos.

Luz e Paz,
Tania Resende

Tania Resende é sócia-proprietária do Anima Mundhy, Terapias Holísticas e Nova Espiritualidade, há 21 anos na Vila Madalena, São Paulo. Formada em Psicologia pela PUC/SP, atua há mais de 35 anos como psicoterapeuta. Incorporou as Técnicas de Terapias Vibracionais ao seu trabalho. É canal da Grande Fraternidade Branca Universal e dos Povos Extraplanetários da Confederação. Ministra diversos cursos na área, sendo alguns totalmente desenvolvidos por ela, em modelos presenciais e online.

Site: www.animamundhy.com.br
Blog: www.animamundhy.com.br/blog
E-mail: contato@animamundhy.com.br

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA