Nunca vi alguém procurar ajuda de um médico quando está sem dor. O mesmo se dá quando estamos com problemas emocionais e percebemos que é hora de entender o que está acontecendo. Geralmente, vamos  desconversando e, muitas vezes, colocando a culpa em alguns fatos e pessoas, criando justificativas para achar que é algo temporário.

Mas, assim como a dor física, a dor emocional precisa de cuidados, ainda mais que as duas estão intimamente ligadas. Quando algo está doendo no corpo já é consequência de algo que nos atingiu o emocional. Pode ser frustração, sensação de impotência, falta de rumo, medo, perda, culpa e por aí vai.

Portanto, é normal observarmos que a dor que dói e é ignorada, geralmente aumenta. Cuidar disso, em estágio avançado, dá um trabalhão.

Mas aí me pergunto. Por que a maioria das pessoas deixa chegar nesse ponto? Eu queria entender o motivo pelo qual cumprimos tantas obrigações com o chefe, a família, o grupo social e deixamos de lado a única coisa que é verdadeiramente nossa: a nossa existência? Costumo lembrar uma fala de Cristo que é: amai ao próximo como a si mesmo. E sempre falo, em tom de brincadeira, que o “si mesmo” fica de lado. O COMO representa um sinal de IGUAL. Se fazemos pelo outro, devemos fazer por nós mesmos e vice-versa.

Para mudar é preciso que todo aprendizado seja uma alavanca, gatilho e alerta.  Se doeu, mexa-se e procure as causas o quanto antes. Se ficar difícil, busque um especialista, que dará o diagnóstico, assim como um médico. E, sabendo onde é necessário mudar, fica mais fácil se livrar desse fardo.

A partir daí é que começa realmente o trabalho de cura. Ir ao médico não garante nada caso não seja seguido o tratamento com a medicação agregada. No universo emocional é a mesma coisa. Enquanto não pararmos de delegar aos outros a responsabilidade por nossas dores, continuaremos com elas. Depois do diagnóstico, vem a ação e isso dá preguiça em muita gente.

Vejo que fica mais fácil comprar a solução do que mudar. É maravilhoso quando percebemos que as palavras e o estudo de um especialista foram úteis e que a cura aconteceu, graças exclusivamente às decisões do “paciente”.

Consciência é cura.

Carla Brandão
Comunicadora por opção. Jornalista por profissão. Especialista em desenvolvimento humano por vocação. Pensamentos transformadores, evolução e treinamento. Visão divertida sobre automotivação, administração do tempo, melhoria contínua e inovação. Life Coach e Palestrante com foco na transformação da vida em uma fonte de aprendizado e felicidade! Autora do livro #DoeCoragem – Manual Divertido de Viver o Agora.
email: carla@acommunica.com.br

COMPARTILHAR